terça-feira, dezembro 07, 2010

Trabalhar à distância pode ser a solução para os problemas das grandes cidades. Conheça mais através do seguinte link:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Teletrabalho

domingo, dezembro 05, 2010

Holanda - o país das bicicletas

A Holanda é um dos países que mais utiliza e estimula o transporte ciclístico.
Para saber mais, visite o site:

http://www.ducsamsterdam.net/bicicletas-na-holanda-a-teoria-de-andar-na-cidade/

domingo, novembro 28, 2010

NUREMBERG: exemplo de mobilidade urbana sustentável




“Como fazer com que as pessoas entendam que o ônibus não é um meio de transporte de pobre, mas uma forma sustentável de deslocamento capaz de mitigar as emissões de gases de efeito estufa”.
Uma boa questão que gostaria de abordar neste artigo sobre a cidade de Nuremberg na Alemanha. Eu poderia respondê-la em poucos minutos mas eu estaria desrespeitando os mais de 10 anos de estudos e planejamento de mobilidade que Nuremberg levou para conseguir mudar a cultura de mobilidade na cidade.
Nuremberg é considerada uma cidade média para os padrões brasileiros, mas para a Alemanha é uma cidade grande. Nuremberg tem aproximadamente 600 mil habitantes. E um belo projeto de mobilidade que começou a mais de 30 anos atrás . Para se ter uma idéia Nuremberg tem mais de 300 km de ciclovias que cortam toda a cidade, a cidade de São Paulo tem 13 milhões de habitantes e não mais de 19 km de ciclovias ( a maioria dentro de parques) 1/3 da população da cidade de Nuremberg tem acesso ao Metrô, com o mesmo sistema “Ultra-moderno” da recém inaugurada Linha amarela com o tão comentado sistema driveless e o sistema inteligente de gerenciamento de demanda de passageiros. Outros 1/3, tem acesso aos VLT’s e o restante da população tem acesso a um sistema de ônibus de qualidade e aos trens metropolitanos. 34% dos deslocamentos da cidade, são realizados através do carro. 64% destes deslocamentos são realizados em distâncias curtas com menos de 5 km.
Vamos comparar estes dados de Mobilidade de Nuremberg com a pesquisa OD (Origem e Destino) do metrô em São Paulo, ela demonstra que 31% de todos os deslocamentos de São Paulo são realizados por carro, sendo que 70% destes deslocamentos são realizados por ocasião de trabalho. 34% dos deslocamentos são realizados a pé e o restante por diferentes meios.
Mas o dado que surpreende é que dos 34% dos deslocamentos que são realizados a pé, são de pessoas que não tem acesso a transporte público por falta de dinheiro. Enquanto que em Nuremberg 66% do restante da população que não utilizam o carro, combinam seus deslocamentos com os 300 km de ciclovias e com o transporte público da cidade, não por falta de dinheiro mas pela cultura de mobilidade, eles optaram por levar uma vida mais saudável. Sendo que os 34% de Nuremberg que se deslocam por carro não o fazem para todos os seus deslocamentos diários, existe um revezamento modal que permite o uso do carro de forma sustentável.

Estes 34% de deslocamento da população a pé de São Paulo que não utilizam transporte público representa uma demanda reprimida extremamente perigosa, pois se o Brasil continuar crescendo a uma taxa de 5, 6% do PIB ao ano, teremos nos próximos anos um potencial de compradores de carros novos e usados que a cidade não tem condições de comportar.
A resposta que a ONU quer escutar, Nuremberg respondeu em mais de 10 anos, tempo que levou para que os cidadãos da cidade optassem por meios de transportes mais sustentáveis. Mas isso só foi conseguido graças aos programas que incentivaram a população a utilizarem o carro de forma mais sustentável, paralelo ao estudo de demanda de mobilidade, priorizando o transporte público coletivo e sinalização das faixas de veículos nas ruas, gestão de estacionamentos, restrição de caminhões e transporte de mercadorias na cidade, orientação para o tráfego pesado, maior distribuição modal, Estratégias inteligentes específicas para centros de pólos geradores de tráfego, melhor distribuição destes pólos.
Uma parte da frota de ônibus de Nuremberg utilizam Gás Natural e uma pequena parte deles utilizam o diesel dentro da especificação Euro 5/EVV cumprindo os critérios de baixa emissão de gases tóxicos da comunidade Européia. Os Novos ônibus bi-articulados estão adequados para a norma Euro 6, que o restante dos países Europeus só Irão implementar em 2014, prazo estabelecido pela União Européia, mas que Nuremberg decidiu antecipar.
Um comitê de Mobilidade Sustentável da cidade, está avaliando quais são os impactos para mudança de matriz energética dos ônibus para o motor elétrico , já que eles estão no mínimo 5 anos adiantado em relação ao restante da Europa. Querem saber se o investimento versus resultados são compensatórios.
Desde os anos 70 a prefeitura local vem desenvolvendo projetos de mobilidade sustentável no centro da cidade na tentativa de melhorar a qualidade do Ar. A prefeitura decidiu transformar algumas ruas em “Calçadões” para pedestres, alguns especialistas previram que o trânsito seria “empurrado” para vias secundárias crescendo o tráfego em 4% nestas ruas , mas a previsão de caos não se confirmaram , pois os cidadãos adotaram meios alternativos ao transporte individual por automóvel. Após um ano da implementação das ruas exclusivas para pedestres, o trânsito local havia caído em mais de 25% , conseguindo conquistar a meta de redução de gases poluentes em menos de uma ano. Alinhado com outras políticas de redução de gases tóxicos veiculares.
Em 2003, a Conferência de Ministérios dos Transportes da Comunidade Européia premiou a cidade de Nuremberg pelas três décadas de compromisso com as necessidades das pessoas com deficiência através do prêmio, o "Acesso e Inclusão, Prêmio de Serviços de Transporte e Infraestrutura".
Mobilidade Sustentável Corporativa
Em 2004 as empresas da cidade de Nuremberg adotaram a carta nacional de desenvolvimento sustentável com foco em Mobilidade para que as empresas se comprometessem em desenvolverem programas de redução de deslocamentos de seus funcionários, encorajando-os a adotarem meios alternativos de transportes. O projeto incluiu cerca de 2.500 empresas.

Projeto Mobilidade para Todos
Em 2009, cerca de 97% dos trabalhadores de Nuremberg tinham acesso a transporte público de qualidade.
Nuremberg está trabalhando para bater um novo recorde de mobilidade. Fazer com que cerca de 20% das pessoas que utilizam transportes públicos hoje, passem a utilizar a bicicleta como meio de transporte e pelo que tudo indica, vai conseguir.

O sucesso dos negócios depende da acessibilidade dos funcionários ao trabalho

Qual o principal fator responsável pelo sucesso de uma empresa ? Localização? O fluxo de caixa? O acesso ao mercado? Diferenciar um produto ou serviço?

Estes podem ser alguns dos fatores que vêm à mente de qualquer pessoa. Mas a Cidade de Boulder pensa diferente “você já pensou como o transporte dos seus funcionários afetam a linha de produção interna da sua empresa” ? anuncia o título de um folheto da cidade cujo foco são as empresas circunvizinhas.

Para a cidade de Boulder o sucesso dos negócios depende da acessibilidade dos funcionários ao trabalho, é desta forma que eles avaliam se negócio será bem sucedido ou não . É por isso que empresas de todo os E.U.A. Canadá e Europa estão oferecendo opções de transporte de baixo custo, elas já entenderam que nenhum trabalhador consegue ser produtivo passando 1, 2 ou 3 horas parados em congestionamentos e é por isso que as cidades médias estão melhorando sua mobilidade e tornando-se muito mais atrativas para estas empresas. Boulder é o melhor exemplo disso.

Acesso fácil, sem stress e congestionamentos, transporte de qualidade e baixo custo, pode ser um benefício e tanto para os funcionários aliado ao benefício fiscal para as empresas, é assim que a cidade de Boulder vem atraindo empresas para sua cidade. Estes programas de transportes aumentam o recrutamento e a retenção de trabalhadores e ainda proporcionam melhora no acesso a venda de produtos e serviços para os clientes.

Não existe redução de Trânsito sem o Gerenciamento da demanda de Deslocamentos

Mas não espere apenas o esforço do governo local, as empresas são incentivadas a criarem um departamento de Mobilidade Sustentável e ter um coordenador de Transportes, cujo objetivo é otimizar os deslocamentos dos funcionários, evitando deslocamentos desnecessários e maior ocupação se a opção é viajar de carro.

Um programa de Transportes é estruturado e cabe ao coordenador, treinar e garantir que as pessoas tenham melhores atitudes em relação aos seus deslocamentos, estabelecendo metas realistas de deslocamentos e redução de gases tóxicos e CO2. Avaliar o crescimento da empresa e impacto nos deslocamentos, ser preventivo, fazer a gestão de estacionamentos, supervisionar as comissões de transportes internos e medir o impacto da empresa na comunidade local.

Este trabalho tem tornado os meios de transportes públicos mais eficientes e a cidade tem evitado de construir infraestrutura voltado para os carros. A Infraestrutura é voltado para transportes públicos e sustentáveis e melhor uso do solo, evitando a construção de estacionamentos.

Benefícios para a Comunidade

• Aumento da mobilidade das pessoas, maior acesso aos bens e serviços necessários para uma economia próspera e vigorosa na vida da comunidade.
• Redução de congestionamento do tráfego e a poluição atmosférica.
• Melhor saúde dos cidadãos.
• Aumento da qualidade de vida.
• Redução da dependência do petróleo estrangeiro.
• Redução de gastos na infra-estrutura de automóvel (alargamentos de pista, pontes, estruturas de estacionamento).
• Melhor uso do solo a terra disponível para usos produtivos, em vez de estacionamento.

Bicicultura 2010

Entre os dias 1º e 4 de dezembro, Sorocaba será sede do Bicicultura 2010, evento organizado pela União de Ciclistas do Brasil (UCB) e que reunirá representantes desse segmento de mobilidade urbana de todo o País. A programação inclui realização de palestras, oficinas e vivências, pedaladas e confraternizações, destinadas ao aprimoramento no conhecimento do ciclismo.
De acordo com os organizadores, a escolha de Sorocaba para sediar esta nova etapa da Bicicultura ocorreu justamente por causa das políticas públicas do município voltadas ao incentivo desse meio de transporte. A cidade possui atualmente 65 quilômetros de ciclovia e promove frequentemente eventos para incentivar o uso da bicicleta.

quinta-feira, novembro 25, 2010

Seminário sobre mobilidade urbana e inclusão social em Porto Alegre

Ocorreu nesta semana (22 a 24 de novembro de 2010), o seminário sobre Mobilidade Urbana e Inclusão Social no Hotel Embaixador. Participaram do encontro técnicos da área das aréas de trânsito, transporte e desenvolvimento urbano de diversas cidades brasileiras além de representantes dos países do Mercosul.

Com aproximadamente 70 técnicos, o seminário debateu as realidades de Porto Alegre e região metropolitana e analisou soluções implantadas em Buenos Aires, Santiago do Chile, Montevideu, Bahia Blanca (Argentina), La Victoria (Peru), Caxias do Sul, Recife, Belo Horizonte, São Bernardo do Campo e Diadema no interior de São Paulo. O prefeito José Fortunati disse que “iniciativas como esta nos fazem refletir sobre o futuro e realizar as modificações necessárias para qualificar ainda mais a vida dos cidadãos.”

Mobilidade Urbana e a Copa do Mundo de 2014

Um dos principais legados da Copa do Mundo de 2014 serão as melhorias nos sistemas de mobilidade urbana para as cidades-sede do evento. As ações e os investimentos nesta área têm o objetivo de promover a articulação das políticas de transporte, trânsito e acessibilidade, a fim de proporcionar o acesso amplo e democrático ao espaço de forma segura, socialmente inclusiva e sustentável.

Os empreendimentos priorizam a implementação e a melhoria de sistemas de transportes coletivos e de meios não motorizados – voltados para pedestres e ciclistas –, bem como a integração entre diversas modalidades de transportes, com a constante preocupação de se alcançar o conceito de acessibilidade universal, garantindo a mobilidade de idosos e de pessoas com deficiências ou restrição de mobilidade.

Projetos e Ações
Para saber mais sobre estes projetos e ações, consulte o site http://www.portaltransparencia.gov.br/copa2014/porto-alegre/mobilidade-urbana/

Gestão de mobilidade urbana de Porto Alegre é avançada, segundo autoridades de Stuttgart

Autoridades de Stuttgart que participaram da organização da Copa do Mundo de 2006 visitaram, nesta quinta-feira, a Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) e avaliaram que Porto Alegre ocupa um estágio avançado na gestão da mobilidade urbana, de acordo com as exigências impostas pela Fifa para a organização da Copa do Mundo de 2014. “A cidade evoluiu muito nos últimos anos quanto à gestão e operação da mobilidade urbana. Certamente será aprovada nos quesitos apresentados pela Fifa”, sintetizou Martin Schairer, que era vice-prefeito de Stuttgart durante a Copa do Mundo. Ele destacou que a Central de Controle e Monitoramento da Mobilidade Urbana é um dos exemplos desse avanço.
O secretário da Mobilidade Urbana e diretor-presidente da EPTC, Romano Botttin, apresentou à comitiva os projetos de qualificação da mobilidade, que incluem duplicação de avenidas, construção de obras de arte, qualificação dos corredores de ônibus e do transporte público, por meio da implantação do projeto Portais da Cidade. A delegação alemã também esteve reunida com o prefeito José Fortunati na sede da Secretaria Extraordinária da Copa de 2014 (Secopa). Na oportunidade, apresentaram os trabalhos de gestão executados nos preparativos para os mundiais da Alemanha e da África do Sul, com apoio do Grupo InWEnt - organização da Alemanha dedicada à capacitação internacional de recursos humanos e à cooperação para o desenvolvimento. “Transferimos toda a experiência acumulada na Copa de 2006 para a África do Sul, sem ônus”, revelou a técnica alemã Ardin Djalali.
A comitiva participará, entre amanhã e sábado, do seminário “Porto Alegre e as cidades da Copa de 2014 - A experiência alemã de Stuttgart”, que ocorrerá no Hotel Deville. Durante o evento, Fortunati e o prefeito de Stuttgart, Wolfgang Schuster, assinarão termo de cooperação. A iniciativa permitirá a formalização de uma parceria entre as duas cidades, que prevê intercâmbio técnico. De acordo com Fortunati, a medida qualificará os preparativos de Porto Alegre para a Copa do Mundo de 2014. Milhões de pessoas assistiram aos jogos da Copa do Mundo da Alemanha, em 2006, direto de telões localizados nos centros das cidades. As prefeituras planejaram a distribuição das telas por todas as zonas dos municípios, para descentralizar o público de forma ordeira. São lições como esta que Porto Alegre quer aprender por meio do intercâmbio de informações.

segunda-feira, novembro 22, 2010

Prêmio Mobilidade Urbana 2009-2010 - by PMU 2010

O Prêmio Mobilidade Urbana 2009-2010 foi concebido para estimular e reconhecer as melhores práticas ligadas, direta ou indiretamente, à mobilidade urbana no Estado do Rio de Janeiro; contribuindo para promover ou melhorar a sustentabilidade, o bem-estar, e/ou a qualidade de vida da população do Estado do Rio de Janeiro, ou de parte dela.

Para efeito deste Prêmio, a Mobilidade Urbana é entendida como “toda e qualquer ação que assegure deslocamentos de pessoas dentro do espaço urbano, para desenvolvimento de suas atividades, no desempenho de papéis diversos, variando de acordo com o meio de locomoção utilizado e a atividade exercida – pedestres, ciclistas, motociclistas, usuários de transportes coletivos, motoristas, etc.”

Os vencedores de cada categoria foram premiados em cerimônia oficial, com um troféu e um cheque no valor de R$ 15.000,00 (quinze mil reais) na categoria Jornalismo e de R$ 5.000,00 (cinco mil reais) ou uma viagem de fim de semana, com acompanhante, para resort em território nacional, nas demais categorias


Para acessar os resultados, clique aqui: http://www.pmu2010.com.br/resultados.php

Fortunati abre Seminário de Mobilidade Urbana e Inclusão

Prefeito destacou transporte coletivo como fator de inclusão
O prefeito José Fortunati participou hoje, 22, da abertura do Seminário sobre Mobilidade Urbana e Inclusão Social, promovido pela prefeitura, por intermédio da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), com apoio da Carris, Trensurb e Sociedade de Engenharia do Rio Grande do Sul (Sergs). O evento acontece até quarta-feira, 24, no Hotel embaixador, reunindo técnicos das áreas de trânsito, transporte e desenvolvimento urbano de diversas cidades brasileiras, e também de países do Mercosul. (vídeo)

Para o prefeito, essa união de cidades do Mercosul para debater problemas comuns tem apresentados resultados positivos. “Juntos compartilhamos experiências, verificamos quais os desafios e dificuldades que serão enfrentadas e buscamos soluções mais adequadas para qualificar áreas tão importantes quanto a mobilidade urbana com inclusão social. Não tenho dúvida que a inclusão social significa investir cada vez mais em transporte coletivo”, reforçou.

A previsão é de que cerca de 70 técnicos especialistas nas áreas de trânsito, transporte e desenvolvimento urbano debatam o tema. Além das realidades de Porto Alegre e da região metropolitana, serão apresentadas, e debatidas, experiências nas questões de mobilidade de cidades como Buenos Aires, Montevideo, Santiago do Chile, Bahía Blanca (Argentina), La Victoria (Peru), Caxias do Sul, Recife, Belo Horizonte, São Bernardo do Campo e Diadema, entre outras.

A iniciativa faz parte das atividades da cidade coordenadora da Unidade Temática de Desenvolvimento Urbano da Rede Mercocidades “Porto Alegre”. “Já que estamos na preparação da cidade para a Copa 2014, são iniciativas como esta que nos fazem refletir sobre o futuro e fazer as mudanças necessárias para qualificar ainda mais a vida dos cidadãos”, destacou Fortunati.

sexta-feira, novembro 19, 2010

Frota gaúcha libera anualmente 532 mil toneladas de gases tóxicos na atmosfera

Com uma cerimônia na Assembléia Legislativa, foi lançado hoje (18), o PCPV (Plano de Controle de Poluição Veicular), que começará a ser implantado no Estado em janeiro de 2012. O plano foi balizado por um estudo do Grupo de Trabalho da Câmara Técnica de Recursos Atmosféricos e Poluição Veicular do Conselho Estadual do Meio Ambiente (Consema), que produziu o inventário da emissão de poluentes de fontes móveis no Estado.
Liderado pela Fepam, com a colaboração do Detran/RS, Emater, Secretaria da Saúde e CTS Brasil, o trabalho estimou em 532 mil toneladas o total de gases poluentes liberados pela frota gaúcha a cada ano (430 mil toneladas só de monóxido de carbono). A metodologia para o inventário foi inspirada na utilizada pela Enviroment Protection Agency dos EUA e relaciona o tamanho, idade e patamar tecnológico da frota, a qualidade e o consumo de combustível, condições de tráfego, além de dados coletados pela Rede de Monitoramento da Qualidade do Ar.
Os maiores “vilões” da poluição atmosférica são os automóveis de passeio, que representam 64% da frota do RS. Apesar dos índices não serem considerados críticos no Estado, é consenso que com a inserção diária de novos veículos (a frota gaúcha cresce 5% ao ano), esses índices tendem um crescimento. Daí a necessidade de medidas preventivas.
Diversas recomendações foram arroladas no PCPV para reduzir a emissão de gases poluentes, como a modernização e renovação da frota, incentivo ao uso do transporte coletivo, uso de combustíveis alternativos, programa de implantação do transporte hidroviário, criação de ciclovias urbanas. Mas principal delas é a chamada “inspeção verde”.
Prevista na Resolução 418/2009 do Conama (Conselho Nacional do Meio Ambiente), o Programa de Inspeção e Manutenção (I/M), ou “inspeção verde”, visa identificar desconformidades em relação às emissões de poluentes, ruídos e nos parâmetros de segurança conforme as diretrizes da Normativa no6/2010, do IBAMA.
Para implantação da inspeção verde o PCPV decompôs o Estado em oito macrorregiões, conforme critérios do Inventário de Emissão (pontos mais ou menos críticos em função da concentração de veículos, clima, geografia, etc). O programa começará pela localidade mais crítica: a Região Metropolitana, que concentra 40% dos poluentes emitidos no Estado. Serão instalados nessas oito macrorregiões Postos de Inspeção Veicular, em número suficiente para atendimento da frota alvo local. Inicialmente, a frota alvo será de veículos com mais de dois anos de fabricação, que devem ser vistoriados anualmente, mas se estenderá para toda a frota circulante, conforme cronograma de implantação.
O programa ficará a cargo da Fepam e utilizará o sistema de gerenciamento da frota do Detran/RS. O sistema, que vincula todos os procedimentos relativos ao veículo, como licenciamento, transferências de propriedade, etc, será expandido e adequado para inclusão de dados referentes ao I/M (inspeção verde).
O Presidente do Detran/RS, Sergio Filomena, observou que o PCPV é um programa para as gerações futuras, “que vão colher os frutos das sementes que estamos plantando agora”. Ressaltou ainda a parceria dos órgãos do Estado para a concretização do plano. “É o Estado vencendo uma dificuldade histórica e aprendendo a trabalhar em conjunto para entregar à sociedade um trabalho como esse”. Opinião corroborada pela presidente da Fepam, Regina Telle: “Trabalhando em redes de parcerias, dividindo tarefas e responsabilidades, seremos o único Estado a entregar o PCPV ao Conama no prazo previsto pela Resolução”.

Fonte: www.detran.rs.gov.br

terça-feira, novembro 16, 2010

Concurso AIRBUS

A Airbus está promovendo um concurso mundial para geração de idéias verdes no desenvolvimento dos seus aviões. Podem participar estudantes de graduação, mestrado ou doutorado. Os prêmios e maiore informãções estão no link abaixo:

www.airbus-fyi.com

domingo, novembro 07, 2010

Economizando Combustível - by Terra

Como abolir o carro parece uma ideia pouco plausível no combate à poluição, diminuir o consumo de combustível é uma questão inevitável. Com isso, o motorista usa menos petróleo - combustível fóssil não-renovável e que polui os mares - e diminui as emissões de gás carbônico na atmosfera, hoje o centro do problema nas discussões sobre aquecimento global.

Confira abaixo 13 sugestões que ajudam a diminuir o uso de combustível. São recomendações simples, que não dão trabalho para ser implementada e que trazem benefícios para o planeta e também ao bolso de quem as pratica.

1 – Abasteça seu carro em postos de confiança. Assim, você diminui o risco de colocar gasolina ‘batizada’. A Agência Nacional de Petróleo (anp.gov.br) tem uma lista de estabelecimentos autorizados
2 – Troque as marchas sempre que necessário
3 – Acelere sempre suavemente
4 – Calibre os pneus do carro toda semana conforme as especificações do manual do proprietário. Se você colocar 30% da pressão recomendada, a resistência à rodagem é maior, e os custos aumentam a longo prazo
5 – Suspensão desalinhada também é outro fator de aumento de consumo. Faça o alinhamento a cada 10 mil quilômetros, ou após passar por uma via esburacada
6 – Um filtro de ar entupido consome até 10% mais de combustível
7 – Faça as revisões no prazo devido
8 – Quanto estiver numa descida, não rode em ponto morto; o carro consome mais assim do que com a marcha engatada
9 – O ar-condicionado pode consumir até 25% mais do combustível do carro
10 – Dirigir com os vidros fechados pode diminuir o atrito do vento com o carro, o que faz gastar menos combustível
11 – Mantendo uma planilha com o consumo do seu veículo, você pode notar se o desempenho aumenta ou diminui
12 – Não circule com peso extra desnecessário (ferramentas não utilizadas, jornais, peças trocadas ou estepes velhos, acessórios de praia etc)
13 – Em vez de esquentar o motor de amanhã, ligue e saia


Retirado de: http://meioambiente.terra.com.br/interna.php?id=77&canal=5

sábado, novembro 06, 2010

Novas idéias para a mobilidade

Quem tem trabalhos produzidos na área de mobilidade urbana já pode encaminhar suas propostas de Comunicações técnicas para o 18º Congresso Brasileiro de Transporte e Trânsito. Trata-se de uma iniciativa da Associação Nacional de Transportes Públicos (ANTP), Associação Civil voltada ao Transporte público e ao Transporte urbano do país e corresponde ao objetivo da entidade de desenvolver e difundir conhecimentos.

O público alvo é formado por integrantes das instituições associadas, membros individuais e beneméritos e demais interessados no tema de mobilidade urbana.

Cada autor poderá inscrever até dois trabalhos, individuais ou em equipe. Uma vez selecionados, os trabalhos serão apresentados no 18º Congresso Brasieleiro de Transporte e Trânsito, em sessões Técnicas que ocorrerão entre os dias 19 e 21 de outubro de 2011.

Os campos temáticos são questões urbanas, meio ambiente e transporte não motorizado, qualidade, marketing e tecnologia, transporte público e trânsito.

A data limite para envio dos resumos dos trabalhos é 5 de dezembro de 2010, e a divulgação dos trabalhos selecionados está prevista para 15 de fevereiro de 2011.

Mais informações pelo site http://www.antp.org.br/

terça-feira, novembro 02, 2010

Capitais brasileiras vão parar

Estudo da Fundação Dom Cabral demonstra que Rio de Janeiro, São Paulo, Porto Alegre e Belo Horizontes irão parar e os congestionamentos não terão horário para ocorrer. Mais detalhes no link abaixo:

http://g1.globo.com/Noticias/Brasil/0,,MUL465848-5598,00.html

domingo, outubro 31, 2010

Rio sediará maior congresso sobre transportes da América Latina - by Diário de Petrópolis

No ano de 2011 o Rio de Janeiro vai sediar o maior congresso de transportes da América Latina, o 18º Congresso da ANTP – Associação Nacional de Transportes Públicos. O evento, que discute os rumos, tendências e inovações para o setor, reunirá os maiores especialistas de todo continente, além de técnicos da Europa e EUA. O congresso, com perspectivas ainda não avaliadas de investimento em diversos setores da economia, em especial no campo da mobilidade urbana, acontecerá em outubro de 2011 e deve reunir mais de 3 mil pessoas durante os quatro dias de evento.

“Para o setor, os congressos da ANTP são celeiros de boas idéias e oportunidade de debate consistente sobre os rumos das políticas públicas para os transportes. Há mais de 20 anos, o Rio não recebe o evento. E a hora é mais que oportuna, com todas as atenções do mundo voltadas para a cidade que vai sediar jogos da Copa e Jogos Olímpicos”, comentou o secretário Sebastião Rodrigues.

Aeromóvel ligará Trensurb e Aeroporto Salgado Filho - by Clic RBS e Jornal Via Norte (edição de Setembro)

A Região metropolitana de Porto Alegre vai receber uma nota e moderna opção de transporte público. O contrato para a construção do aeromóvel que fará a integração da Estação Trensurb ao Aeroporto Internacional Salgado Filho, em Porto Alegre, foi assinado na tarde desta quinta-feira, na sede da Trensurb, na Capital, com a presença do ministro das Cidades, Márcio Fortes.

Primeira obra de infraestrutura com recursos liberados pelo governo federal para a Copa do Mundo de 2014, a instalação está orçada em R$ 29,8 milhões. Com todas as licenças ambientais e o processo de licitação aberto oficialmente nesta quinta-feira, a empresa responsável pela construção, a Aeromóvel do Brasil, pretende iniciar a operação do meio de transporte no segundo semestre de 2011.

“Este é um projeto que vai levar tecnologia para o mundo todo e gerar empregos no Rio Grande do Sul”, assegura o diretor-presidente da Trensurb, Marco Arildo Cunha. “Essa é uma solução para os graves problemas de mobilidade que as cidades de todo o mundo enfrentam”, observou.

Os testes devem começar em oito meses. O projeto usa tecnologia 100% nacional e será totalmente desenvolvido no Rio Grande do Sul. Os veículos suspensos, movidos a ar, permitirão integração e acesso rápido e direto dos usuários ao terminal.

O trajeto de 944 metros entre a estação do trensurb e o aeroporto, com duas estações de embarque, será percorrido em 90 segundos. A linha contará com dois veículos, um com capacidade para 150 passageiros e outro para 300.

e Jornal Via Norte (edição de Setembro)

quinta-feira, outubro 28, 2010

Problemas do carro elétrico...


(veja a imagem em tamanho maior)


Fonte: Jornal do Comércio de 27/10/10 - p. 03.

sábado, outubro 23, 2010

Metrô

O metrô é uma forma cara, porém com excelente capacidade de passageiros/hora/sentido.
Para conhecer mais sobre esse transporte, visite o site: http://mic-ro.com/metro/table.html

sábado, outubro 16, 2010

O valor econômico da Natureza - by Rede Nossa São Paulo

Ao longo dos séculos, o ser humano de fato, tratou a natureza como um sistema sem valor, talvez por acreditar de forma instintiva, que era abundante e infinita. Hoje, em pleno século 21, o próprio ser humano descobriu que a natureza tem preço, tem valor econômico e não é infinita.

Segundo o economista Robert Costanza, da Universidade de Vermont, em 1997 a biodiversidade do planeta valia 33 trilhões de dólares. São 44,9 trilhões de dólares, em valores atuais. Para chegar a essa quantia, estimou-se quanto custariam os serviços prestados gratuitamente pela natureza ao homem, como a água limpa, o solo fértil para plantio de alimentos, a purificação do ar pelas florestas, a polinização e outros recursos naturais sem o qual não existiríamos.

Em 2007, em um encontro do G8, o grupo dos oito países mais ricos do mundo, em Potsdam na Alemanha, decidiu-se que era necessário criar um painel responsável por calcular o custo dos danos ao ambiente causados pelo homem.

De acordo com o TEEB, as perdas anuais referentes destruição das florestas, mananciais e da vegetação dos mangues representam entre 2,5 trilhões e 4,5 trilhões de dólares. Esse cálculo foi feito com base no valor atual dos serviços que esses recursos naturais prestam ao homem, como ar puro, água doce, produtos florestais, turismo ecológico, potencial biológico das espécies, prevenção de inundações e controle de secas. Citando outro exemplo, um serviço ambiental crucial para a produção global de alimentos, a polinização, é avaliada em 540 bilhões de dólares e o prejuízo anual estimado é de 15 bilhões, causado pela redução das colméias nos Estados Unidos.

Os números relatados pelo TEEB são impressionantes, e muito importantes para ampliar a compreensão de todos quanto a importância dos serviços da natureza para a nossa sobrevivência. A grande maioria da população que vive em grandes metrópoles e não se dá conta de que as cidades dependem da natureza - e os serviços ambientais podem proporcionar soluções muito efetivas para graves problemas.

São Paulo tem 6 projetos de monotrilho, 4 polêmicos - by Rede Nossa São Paulo

Quatro dos seis projetos de monotrilhos previstos para a Grande São Paulo enfrentam resistência. Associações do Morumbi ao Jabaquara, do M"Boi Mirim e adjacências, na zona sul, de bairros da zona leste e até do Brás, na região central, estão contra os projetos da Prefeitura e do governo do Estado e, além de abaixo-assinados, prometem ir à Justiça. Em contrapartida, entidades da zona norte e de Paraisópolis, na zona sul, defendem o projeto por considerarem que incluem suas regiões no transporte de massa.

O monotrilho é um veículo movido a eletricidade, que tem em média seis vagões e transita sobre via elevada. O trenzinho da Disney é o mais conhecido dos brasileiros, mas o veículo é muito encontrado em parques e conexões a aeroportos na Europa e nos Estados Unidos. Na Ásia, são usados também para transporte de massa.

Suas desvantagens batem com as queixas da população em São Paulo: a necessidade de desapropriações, o impacto visual e urbanístico e a capacidade de transportar um terço do que comporta o metrô. Moradores reclamam ainda de que não puderam debater a escolha.
O Metrô, responsável por quatro dos projetos, afirma que o impacto é reduzido e as novas linhas foram projetadas para atender à demanda dos bairros.

Para Douglas Mendes, secretário executivo, a zona leste foi mais uma vez desprestigiada. Ele diz que só o metrô poderia atender à demanda de regiões como Vila Prudente-Sapopemba, uma das mais populosas da capital paulista, com 528 mil habitantes segundo o IBGE. A população diz temer que o sistema seja um novo Fura-Fila e abrigue moradores de rua.

Outra região populosa, na zona sul de São Paulo, deve receber o mesmo tipo de projeto. Moradores já contam com 30 mil assinaturas e acenam com uma ação civil pública para impedir a construção, segundo a Frente das Entidades de M"Boi Mirim.

Retirado de: http://www.nossasaopaulo.org.br/portal/node/13370

Seis motivos para ter uma bicicleta elétrica - by Verde Bike

China, Japão, Estados Unidos, Índia, Holanda, Alemanha, França, Itália e vários outros países usam as bicicletas elétricas como meio transporte regularmente. Além de ser uma febre, otimiza o fluxo do trânsito nos grandes centros.

A Verde Bike listou as vantagens de se ter uma bicicleta elétrica:

1. ECONOMIA:
A única despesa da bicicleta elétrica é recarregar a bateria na eletricidade, calcula-se que uma bicicleta elétrica consome R$ 0,01 por quilômetro, ou seja, muito mais barato que a gasolina. E o seu dono não paga IPVA.

2. AMBIENTE:
A bicicleta elétrica, ou e-bike é um produto ecologicamente correto, pois não emite fumaça, não poluindo o ar e nem o ambiente.

3. SAÚDE:
Não é por ser elétrica que a bicicleta impedirá seu usuário de pedalar e praticar um exercício físico. Bicicletas elétricas possuem pedais, e sempre que o ciclista quiser poderá utilizá-lo, sem contar que ao pedalar, a bateria estará sendo recarregada.

4. MOBILIDADE:
Além de ajudar o fluxo dos centros urbanos, o usuário da bicicleta elétrica não fica preso em congestionamentos. Se a bicicleta normal é considerada o segundo meio de transporte mais rápido na hora do congestionamento, imagine a elétrica?

5. CONFORTO:
Por ter bateria, o ciclista da bicicleta elétrica não precisa pedalar, diminuindo o esforço físico, cansaço.

6. PRATICIDADE:
Bicicletas elétricas são compactas, e dependendo do modelo dobráveis, sendo fáceis de transportar de um canto para outro.

quinta-feira, outubro 07, 2010

Empresas de transporte ferroviário investem na modernização de sistemas - by Jornal do Comércio

Apesar da participação das ferrovias ser de apenas 4% da matriz modal de transportes brasileiro, o investimento no desenvolvimento de tecnologias e equipamentos é uma constante no setor ferroviário. Diferentemente do que as pessoas podem imaginar, para garantir a performance das operações ferroviárias, o modal opera com tecnologia de ponta e equipamentos como vagões desenvolvidos especificamente para cada operação. É o caso das concessionárias de transporte ferroviário como a Vale, Ferrovia Tereza Cristina (FTC), Ferrovia Centro-Atlântica (FCA) e América Latina Logística (ALL).

A empresa Vale deve fechar o ano totalizando R$ 1,2 bilhões investidos em pesquisa e desenvolvimento. De acordo com o gerente-geral de Inovação e Desenvolvimento Ferroviário, Gustavo Mucci, a inovação é um dos fatores que alavancam a performance da empresa. Entre as inovações que estão garantindo ganhos para a empresa estão o simulador de trens e o helper dinâmico.

Provando que o Brasil tem conhecimento para criar tecnologia de ponta, a Vale e a Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP) desenvolveram o mais moderno simulador de trens do mundo. Imagens produzidas em 3D mostram o comportamento do trem ao longo do trajeto da ferrovia com a simulação de diferentes condições climáticas como sol, neblina e chuva. Por meio de um sistema de georreferenciamento, o simulador também pode criar diferentes malhas e projetar situações de risco como a de animais cruzando a linha do trem durante a noite. Composto por funcionalidades inovadoras como a leitura de dados de latitude e longitude, o equipamento também consegue determinar características topográficas do relevo da malha ferroviária, como curvas acentuadas e desníveis. 

O simulador considera também, em um ambiente de realidade virtual, todas as características do trem, como aderência das rodas ao trilho, eficiência da frenagem, de tração e do freio dinâmico, tempo de percurso, consumo de combustível e procedimentos de segurança.

Mas, as vantagens do equipamento vão além. Através da simulação é possível fazer estudos operacionais para aperfeiçoar o uso das composições garantindo melhor desempenho de segurança, economia de combustível e redução de desgaste das locomotivas e vagões.

Ferrovia Tereza Cristina amplia ganhos com vagões de plástico - by Jornal do Comércio


A preservação da natureza foi um dos maiores ganhos obtidos pela concessionária de transporte ferroviário com o desenvolvimento do novo vagão de “plástico”. Desenvolvido pela equipe de manutenção de vagões da empresa, a parte interna do equipamento, que era confeccionado em madeira de lei, e o assoalho em chapa de aço, foram substituídos por plástico reciclado.

O gerente da Divisão de Manutenção, Abel Passagnolo destaca que o maior benefício do desenvolvimento da tecnologia é a preservação da mata, pois para a fabricação de cada vagão era necessário sacrificar duas árvores adultas, com diâmetro médio de 90 cm, de madeira de lei como cedro, angelim ou canela. A outra grande vantagem é que a matéria-prima usada para fazer o plástico reciclado é retirada dos lixões. São embalagens de defensivo agrícola, controladas pelo governo, sacos plásticos, tubos de xampus e de sabonetes, todos materiais compostos de polietileno de alta densidade que levariam muitos anos para se decompor se descartados na natureza. “Com a fabricação do vagão damos uma destinação mais nobre para este material, que é lixo”, diz Passagnolo.

Operacionalmente as vantagens também são muitas na comparação com a madeira. “Aumentou a estanqueidade do revestimento. O plástico não incha em contato com a água da chuva. As frestas que se abriam na madeira provocavam muitas perdas. Além disso, o plástico é mais resistente à degradação. A estimativa é que dure mais de 30 anos”, afirma Passagnolo. Sem contar que a madeira, depois de comprada, precisa passar pelo menos oito meses secando para evitar que com o aproveitamento ainda verde ela encolha ou mude sua forma.

Outro ganho foi com a redução de peso. De 22 toneladas, o vagão baixou para a 20,5 toneladas. Com isso, o equipamento que transportava 59,5 de carvão mineral passou a carregar 61 toneladas, o que garante uma importante vantagem econômica. Passagnolo conta que depois de começar a operar com o vagão de “plástico’, foram descobertos ainda novos ganhos operacionais. “Na descarga do material, como o plástico é liso, o carvão desliza com mais facilidade. Quando era revestido internamente com madeira, o produto aderia às paredes do vagão e era necessário usar um vibrador para que o produto se descolasse. “Com a eliminação do uso do vibrador houve uma redução do barulho, ou seja, reduziu-se o impacto ambiental”, afirma Passagnolo.

Como o plástico reciclado já vem pigmentado, o novo vagão não precisa ser pintado, o que representa outro importante ganho econômico, além de ganho ambiental. “Os solventes usados nas tintas liberam gases contaminantes que são emanados para a atmosfera”, explica Passagnolo. “O plástico também pode ser utilizado como revestimento de outros tipos de vagões, substituindo a madeira ou placa compensada, desde que se façam as adequações de engenharia necessárias para o uso do novo material”. Com 164 quilômetros de malha que cortam 12 municípios catarinenses, entre Imbituba e Siderópolis, a FTC utiliza atualmente 62 unidades do vagão de plástico no transporte de uma média de 200 mil toneladas de carvão mineral por mês.


domingo, outubro 03, 2010

O sistema Bus Rapid Transport é o sistema de transporte coletivo composto de corredores de ônibus inteligentes e filosofia similar ao metrô, porém com custos e impactos de implementação muito menores. Para conhecer essa solução, você pode visitar os seguintes endereços:

http://www.embarq.org/
http://www.youtube.com/watch?v=ZgpsKJFerrc&feature=related

sábado, outubro 02, 2010

Inovações em Transporte Sustentável - by CTS Brasil




Mudanças climáticas e mobilidade urbana: desafios e inovações - by CICI 2010

O futuro das cidades esta relacionado com mobilidade urbana e o comprometimento com as metas climática. A necessidade de incentivar o uso do transporte coletivo e de modais não motorizados foi um dos pontos centrais do painel sobre mudanças climáticas e modalidade urbana, realizado na CICI2010.

Para Alexandre d'Avignon, professor do Centro de Estudos Integrados sobre Meio Ambiente e Mudanças Climáticas da UFRJ, é preciso atrair a população para o transporte público. "Isso seria a grande mudança para diminuir o impacto na emissão de gases e, consequentemente, nas mudanças climáticas", afirmou. Segundo ele, o transporte responde por 13% das emissões globais de gases do efeito estufa. D'Avignon defende alternativas como veículos elétricos e uso de biocombustíveis.

Wagner Costa Ribeiro, geógrafo e professor da USP, destacou outro desafio atual para os gestores urbanos: promover ações que diminuam os impactos socioambientais graves, que resultam em perdas humanas e materiais. "Nós vamos lidar com eventos externos com maior regularidade e temos que estar preparados com políticas públicas de prevenção contra catástrofes", disse.

Retirado de: http://www.cici2010.org.br/News10065content96377.shtml

domingo, setembro 26, 2010

A mobilidade das pessoas nas grandes cidades está cada vez mais difícil. É preciso pensar em soluções alternativas. Algumas dessas alternativas são apresentadas no relatório da Sociedade Alemã para o Desenvolvimento Técnico, a GTZ. O link é http://www2.gtz.de/dokumente/bib/07-1025.pdf

sábado, setembro 25, 2010

Massa Crítica em Porto Alegre

Acompanhando o movimento mundial pró-bicicleta chamado Massa Crítica, dezenas de ciclistas se encontram em Porto Alegre (veja o blog) toda a última sexta-feira do mês para protestar por uma cidade mais amigável para o uso da bicicleta e mostrar que ela é um meio de transporte saudável, sustentável, democrático e divertido.

Tenho utilizado a bicicleta para me locomover na cidade sempre que possível.

Participei das últimas duas edições da Massa em Porto Alegre. E só entende o movimento quem participa. A Massa Crítica de Porto Alegre propõe uma solução de vanguarda para o problema da (i)mobilidade urbana de uma cidade de 1,5 milhão de habitantes que experimenta o caminho da total degradação de seus espaços coletivos. E participar de uma transformação cultural dessa natureza não tem preço.


Portugal Tecnológico 2010 arranca na FIL, em Lisboa

Tecnologia, inovação, demonstração e internacionalização são as palavras-chave que caracterizam o "Portugal Tecnológico 2010" que abriu portas no dia 22 de setembro na FIL, em Lisboa. Será esta a maior edição do principal evento nacional dedicado às tecnologias.

Este ano, a feira tecnológica, que conta com a presença de 200 empresas, "tem como principais inovações juntar à mostra uma praça de energia onde vão estar disponíveis equipamentos e veículos elétricos para mostrar que Portugal lidera este domínio da mobilidade elétrica".

Trata-se, antes de mais, de "uma mostra do Portugal modernizador e esta quarta edição mostra um Portugal moderno, um país líder que desperta grande interesse para poder gerar negócio", disse à Lusa o secretário de Estado da Energia e da Inovação, Carlos Zorrinho.

A edição de 2010, sob o tema "Portugal Tecnológico, a liderar o futuro", será a maior de sempre e apresentará ainda mais soluções inovadoras, com destaque para os projetos de índole tecnológica que contribuem para o sucesso do país e das regiões, para o bem-estar das populações e para o aumento da capacidade exportadora da economia portuguesa.

Previsto para uma área de cerca de 40 mil metros quadrados, abrangendo os três pavilhões da FIL, o "Portugal Tecnológico 2010", que decorre entre hoje e 26 de setembro, no Parque das Nações, destaca soluções em áreas como a mobilidade elétrica, energias renováveis, a educação, a saúde, as comunicações, os transportes e a segurança entre outras.

Se passar pela FIL nos próximos dias e espreitar a exposição, é possível que se cruze nos corredores do certame com um pequeno robô ou com um carro elétrico. Inclusive o Primeiro Ministro José Sócrates chegou ao centro de exposições de Lisboa no veiculo, depois de uma viagem de Metro até ao Parque das Nações.

O carro que já é usado em ambiente real, como prova o fato do modelo presente na feira ter sido cedido pelo Centro de Reabilitação Rovisco Pais, é apenas um dos atrativos para quem pretende saber mais sobre iniciativas sustentáveis e amigas do ambiente. A já referida Praça da Energia mostra mais tecnologia nesta área centrada nos veículos, com e sem motor, já que também estão disponíveis nesta área bicicletas.


Adaptado de:

SIC (Sociedade Independente de Comunicação): http://sic.sapo.pt/online/noticias/dinheiro/20100922+Portugal+Tecnologico+2010+arranca+na+FIL.htm
Tek (Canal de Tecnologia do Sapo): http://tek.sapo.pt/extras/montra/montra_tek_tecnologia_com_selo_portugues_1094132.html
Económico: http://economico.sapo.pt/noticias/mais-de-200-empresas-revelam-inovacoes-no-portugal-tecnologico_99566.html
Destak (Jornal Gratuito de Portugal): http://www.destak.pt/artigo/75694-internacionalizacao-e-inovacao-marcam-abertura-do-evento-que-hoje-comeca-na-fil

segunda-feira, setembro 20, 2010

sábado, setembro 04, 2010

A Imêmore Poluição Sonora

Este post é destinado a falar de um tipo de poluição causada por veículos automotores (dentre outras fontes) que muitas vezes nos passa despercebida: a poluição sonora.

O barulho de automóveis, aviões e demais meios de transporte, dependendo da duração, repetição e intensidade, pode causar problemas que variam de dores de cabeça a danos auditivos permanentes. Estudiosos afirmam que os níveis aceitáveis destes não ultrapassam 65 decibéis e que, acima disso, o organismo sofre de estresse, o que provoca aumento do risco de doenças. Já acima de 85 decibéis, o risco de lesão auditiva aumenta consideravelmente.

A seguir, um vídeo disponibilizado no You Tube que versa sobre este tipo de poluição comumente ignorada:
< http://www.youtube.com/watch?v=UW1BezHSx7E&feature=related >

Poluição Atmosférica by You tube

Em todo o Brasil, são mais de 50 milhões de carros em circulação. Os veículos são responsáveis por 70% da poluição nas cidades. Para os ambientalistas, a solução passa pela mudança de hábitos, como o uso da bicicleta. Mas mesmo quem não quer deixar o carro na garagem, pode contribuir para reduzir a poluição do planeta. Atitudes simples como trocar o óleo na data correta podem ajudar muito.

Veja a seguir dois vídeos disponibilizado no You tube e entenda melhor os efeitos dos veículos no que tange à poluição atmosfera e os desequilíbrios ambientais advindos desta, além de algumas dicas a fim de diminuir a degradação do meio ambiente neste sentido.

< http://www.youtube.com/watch?v=QCEGRe8d5TM>

< http://www.youtube.com/watch?v=QtoyhTKPTCc >

Carro movido a hidrogênio

O carro movido a hidrogênio é mais uma alternativa aos meios de transporte poluentes.
Confira!

< http://www.youtube.com/watch?v=gEuIkiNGyZY&feature=related >

Cartilha do IDEC promove conscientização

O IDEC (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor) divulgou em sua biblioteca uma cartilha deveras interessante que versa sobre transportes e meio ambiente. O IDEC é uma associação de consumidores fundada em 1987 que não possui fins lucrativos que atua em temas de grande relevância para o interesse coletivo dos consumidores e da sociedade como um todo. Suas atividades são norteadas pela busca do fortalecimento da cidadania e por uma sociedade mais justa.

O material fala da contaminação do ar por automóveis e das consequências à saúde e ao meio ambiente, passando por assuntos como Chuva ácida, A ação do ozônio, Mudanças climáticas e o efeito estufa, Transporte e consumo de energia, Os transportes e o lixo e Alternativas a estes problemas.

vale destacar algumas das dicas aqui no blog:

• Evite usar o automóvel para trajetos curtos – dê preferência ao transporte coletivo ou vá a pé ou de bicicleta.
• Procure sempre que possível compartilhar o carro com outras pessoas.
• Abasteça o carro somente à noite ou no início da manhã. Isso evita que os vapores manados do tanque se transformem em ozônio pela ação dos raios do sol.
• Dê preferência aos transportes coletivos que não emitam gases tóxicos, como o trem e o metrô.
• Procure atuar junto ao poder público e às empresas no sentido de exigir a implantação de medidas para o controle da poluição, como:
- Melhorar o transporte coletivo;
- Construir ciclovias;
- Conservar as áreas verdes;
- Implantar sistemas de controle e fiscalização para reduzir as emissões de gases dos veículos e chaminés das indústrias;
- Substituir o uso de combustíveis fósseis por outros de fontes renováveis;
- Estimular e viabilizar o uso de meios de transporte menos poluidores, como o hidroviário;
- Desenvolver novas tecnologias para geração de energia limpa etc..

Quando o uso do automóvel for inevitável, o motorista poderá dar sua parcela de contribuição fazendo com que o seu carro polua menos. Seguindo as dicas abaixo, além de melhorar a qualidade do ar e evitar acidentes, o motorista vai economizar cerca de 10% de combustível, velas e pneus.
• Troque de marcha na rotação correta;
• Evite reduções constantes de marcha, acelerações bruscas e freadas em excesso;
• Evite paradas prolongadas com o motor funcionando;
• Use o afogador somente no momento da partida, sem esquecer de desativá-lo;
• Tente manter a velocidade constante, tirando o pé do acelerador quando o semáforo fecha ou quando o trânsito pára à frente;
• Faça as manutenções e revisões recomendadas pelo fabricante, principalmente no que tange ao catalisador do escapamento;
• Observe a vida útil dos componentes importantes no controle da poluição, como filtro de ar e de óleo;
• Abasteça o veículo com combustível de boa qualidade;
• Rode com os pneus bem calibrados;
• Não sobrecarregue o veículo;
• Desligue o ar-condicionado nas subidas muito íngremes;
• Mantenha o sistema de arrefecimento do motor revisado e no nível adequado de funcionamento.

A bicicleta: alternativa saudável
Em muitos países a bicicleta é um importante meio de transporte, tanto de pessoas como de pequenas mercadorias. Na capital da Dinamarca, Copenhagem, vivem 1,3 milhão de pessoas. Um terço delas usa a bicicleta para ir e voltar do trabalho. Há alguns anos, foi implantado no centro da cidade um sistema de estacionamento chamado “bicicletas grátis”: deposita-se uma moeda na entrada e, ao retirar a bicicleta do estacionamento, o dinheiro é devolvido. O uso de bicicletas como meio de transporte no Brasil é uma boa alternativa para cidades planas e para pequenas distancias. Além de não poluir, andar de bicicleta é um ótimo exercício físico.


Para maiores informações, acesse a cartilha: < http://www.idec.org.br/biblioteca/mcs_transportes.pdf >

Velo Mini

Como alternativa de transporte, diversas empresas pelo mundo todo tem trabalhado no projeto da chamada "Velo Mini", uma bicicleta elétrica, dobrável, fácil de carregar e que considera o conceito de mobilidade urbana sustentável.




Quem sabe não seja este o início de uma série de projetos sustentáveis a serem desenvolvidos em nosso planeta?
Tudo depende de nós.

Contador de CO2 em tempo real


Um inusitado painel eletrônico, patrocinado pelo Deutsche Bank, foi colocado em frente ao estádio Madison Square Garden, um complexo de quatro arenas localizado na cidade de Nova Iorque/Estados Unidos. Trata-se de um contador, em tempo real, da quantidade de dióxido de carbono (CO2) na atmosfera.

Utilizando projeções mensais e outras tecnologias de medição desenvolvidas pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT), o Contador de Carbono (Carbon Counter) foi criado para incentivar as pessoas a reduzirem suas próprias emissões.

De acordo com o professor de ciência atmosférica do MIT, Ronald Prinn: “O número é baseado em medidas globais e mostra o total estimado das toneladas de gases do efeito estufa em forma de dióxido de carbono que o homem emite". ou seja, são descontados os ciclos naturais, de forma que se possa medir o impacto da ação humana neste sentido.

Considero esta uma ótima maneira de conscientização da população, a qual, talvez por não enxergar os gases do efeito estufa, facilmente esquece que eles estão se acumulando rapidamente e pondo em risco o nosso planeta.

Para visualizar o painel online, acesse: <http://www.dbcca.com/dbcca/EN/;jsessionid=0DFDBF0D38630503F178EB2F7C9CF91E.internet3dr>

Pegada Ecológica - by WWF Brasil

O WWF-Brasil <http://www.wwf.org.br/wwf_brasil/>, criado em 1996 e sediado em Brasília, é uma ONG brasileira dedicada à conservação da natureza com o objetivo de harmonizar a atividade humana com a conservação da biodiversidade e promover o uso racional dos recursos naturais em benefício dos cidadãos de hoje e das futuras gerações.

O grupo desenvolveu um quiz <http://www.pegadaecologica.org.br/> com o objetivo de calcular a pegada ecológica dos indivíduos e, além disso, dá dicas bem simples de como melhorar a sua pegada.

Mas o que é a "Pegada Ecológica"? Você já parou para pensar que a forma como você vive deixa marcas no meio ambiente? Estes “rastros” ou “pegadas” podem ser maiores ou menores, dependendo de como se caminha.

Essas pegadas dizem muito sobre quem você é!
Vale a pena conferir!

Carculadora de Co2 - by A Iniciativa Verde

Uma OSCIP de Vila Hamburguesa/São Paulo composta por um grupo de técnicos que trabalha na busca de soluções para tornar as atividades do homem menos agressivas ao meio ambiente está engajada em assuntos relativos à mudança climática desde 1992. Atualmente, possuem um site intitulado "Iniciativa Verde" <http://www.iniciativaverde.org.br/pt>, no qual expõem diversas soluções e projetos a fim de compensar emissões de gases do efeito estufa.

Uma ferramenta bem bacana que a equipe divulga é a "Calculadora de Co2" <http://www.iniciativaverde.org.br/pt/calculadora> de forma que qualquer pessoa física pode quantificar sua emissão anual de Gases de Efeito Estufa e a quantidade de árvores que deverá plantar a fim de compensar estas emissões.

Vale a pena conferir!

terça-feira, agosto 31, 2010

22 de Setembro: Dia Mundial Sem Carro

A comemoração surgiu na França, no final da década de 90, quando cidadãos de 35 cidades francesas decidiram deixar o carro em casa em busca de formas alternativas de se locomover. A ideia chegou ao Brasil em 2001 e o movimento não parou mais de crescer. A cada ano mais cidades brasileiras aderem com parcerias das prefeituras que fecham ruas e fazem ações de passeios de bicicleta ou caminhadas como ações de conscientização para o uso racional dos automóveis e de estímulo a formas mais sustentáveis de mobilidade.
O principal motivo da celebração é diminuir a quantidade de carros individuais nas cidades. Os problemas são os que já conhecemos: grandes congestionamentos, poluição do ar e sonora, isolamento urbano, acidentes fatais, problemas de saúde, alto consumo de combustíveis fósseis, gastos aos cofres públicos, queda de produtividade e redução da qualidade de vida.
No Brasil, de acordo com dados de 2010 do Denatran, existem 35 milhões de automóveis no país. A cidade de São Paulo é líder com a estatística de um carro por dois habitantes. Se você acha muito, nos Estados Unidos esse número é 1,3 habitante por carro, na Itália 1,5 habitante/carro e no Japão, Espanha, Canadá e Alemanha 1,7 habitante/carro.
Esses dados mostram o colapso que as grandes cidades em todo o mundo vêm sofrendo. Assim, mais de 40 países celebram o Dia Mundial Sem Carro. Especialistas alertam que o grande vilão não é o carro sozinho, mas a "cultura do carro" que se instalou fazendo com que as pessoas sonhem com carro próprio suportando um modelo insustentável. "O mais sensato seria criar mecanismos para restringir a quantidade de carros circulando em zonas criticas da cidade e redesenhar a mobilidade de toda a cidade, inclusive com a participação da iniciativa privada", alerta Lincoln Paiva, diretor da Green Mobility.

sexta-feira, julho 02, 2010

Transporte sustentável também é transporte seguro

Ao falarmos de transpote sustentável, normalmente relacionamos com a questões do meio ambiente, como reduçao do uso de transportes particulares, redução da emissão de gás carbônico pelos veículos motorizados, utilização de fontes de energia alternativas, entre outros.


Todavia, transporte sustentável também se refere à qualidade de vida das pessoas que dependem de alguma meio de transporte para locmover-se a fim de realizar suas atividades diárias. Menos tempo no trânsito, em engarrafamentos, menos custos de transporte, comodidade no deslocamento e, também, menos acidentes nas estradas são assuntos que também são discutidos quando se fala em melhorias na qualidade de transporte no mundo.


O vídeo abaixo é um comercial da "Transport Acident Comission" que visa concientizar as pessoas de que a combinação bebida e direção pode resultar em graves acidentes e muito sofrimento para os que se envolvem neles e para seus próximos. Evitando dirigir depois que se bebe é uma maneira de contribuirmos para um transporte sustentável no planeta.


De quem é a responsabilidade para que essa situação mude?




quinta-feira, junho 24, 2010

Resultado pesquisa 3

Depois de questionarmos nossos seguidores e visitantes do Blog a respeito de como se locomovem diariamente para colégio / faculdade / trabalho e de quais as alternativas que consideram viáveis para a melhoria do transporte público em Porto Alegre, fizemos a seguinte pergunta: "Caso as condições de transporte público em Porto Alegre melhorassem com a implantação do BRT, você deixaria de se locomover de automóvel particular?". A intenção foi descobrir se as pessoas não que utilizam automóvel particular para se locomover não utilizam o transporte público por suas más condições ou por optarem pelo conforto de usar um carro particular.
De 18 respondentes, a metade respondeu que deixaria sim de se locomover de carro, enquanto os outros 50% responderam que não. Isso já seria um grande avanço para melhorar o tráfego da capital do Rio Grande do Sul, afinal se metade das pessoas que são transportadas hoje por carro passassem a utilizar o transporte público, as ruas não ficariam mais tão congestionadas, não aconteceriam tantos acidentes e os níveis de poluição - até mesmo sonora - diminuiriam significativamente.
Mas é importante perceber que muitos ainda não estão conscientes do problema do trânsito e de que maneira podem contribuir individualmente para solucionar esse problema. Conclui-se, portanto, que além de disponibilizar meios de transporte coletivos ágeis, baratos, rápidos e seguros, ainda é de extrema importância trabalhar na conscientização da população.

Estudantes brasileiros recebem prêmio internacional por transporte sustentável

Foto: INTERACT

Quem trafega em cidades como Belo Horizonte (MG) sabe como o relevo acidentado pode atrapalhar na hora do deslocamento. Pensando nisso, estudantes da Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG) criaram o Sistema de Transporte Coletivo Suspenso (STCS), que pretende melhorar o transporte coletivo e aumentar a eficiência energética do setor. O trabalho recebeu um dos principais prêmios internacionais de design: iF Concept Award.

Segundo seus criadores, os estudantes Rafael Osmar de Oliveira e Costa e Elisa Sayuri Freitas Irokawa, o sistema foi inspirado nas tendências atuais da arquitetura e do design global, levando em conta a preocupação com a eficiência energética. O metrô suspenso foi idealizado para ser uma opção inovadora, mas coerente com o mundo que planejamos para o futuro, contou Rafael. Eles explicam ainda que o projeto deve funcionar graças a um mecanismo de locomoção eletromagnética movido a energia limpa. Vagões mais estreitos e leves possibilitariam a passagem dos trens pelos corredores de tráfego da cidade. Para agilizar a implantação, uma única estrutura iria sustentar os trilhos das linhas dos dois sentidos.

Apesar de parecer muito distante da realidade, Rafael explica que nem tudo o que é conceitual ou futurista é inviável na prática. "Desde o início do processo, a viabilidade foi um dos fatores mais relevantes. O fato é que a ficção é um dos caminhos para se desligar da estrutura urbana que construímos. Para se pensar no novo, no inovador e, muitas vezes, para chegar a uma solução coerente e eficiente, devemos nos desligar completamente dos padrões arquitetônicos e urbanistas que conhecemos e ir a um novo nível", disse. Ele informou ainda que alguns empresários já entraram em contato e demonstraram interesse em implantar o projeto. Para isso, um estudo mais aprofundado de viabilidade de implantação está sendo realizado.

Fonte: http://verde.br.msn.com/artigo.aspx?cp-documentid=23979810 - Acesso em 28/04/2010

sábado, junho 19, 2010

Novas expectativas para o Aeromóvel

Em reportagem da Zero Hora (08/06/2010), Marcelo Gozatto apresenta como estão os projetos do aeromóvel aqui em Porto Alegre e a nova idéia de implantação no Rio de Janeiro. “O trabalho aponta que o aeromóvel seria capaz de conectar sistemas de transporte já existentes, como metrô, ônibus e rodovias, com um custo operacional até 65% mais barato do que linhas expressas para ônibus, por exemplo. Esse valor reduzido, garantido pela maior facilidade de operação e manutenção, também permitiria que a iniciativa privada arcasse com a maior parte do investimento necessário para implantar o projeto em uma eventual parceria com o governo.”
“Em Porto Alegre, o aeromóvel está sob estudo da UFRGS e da PUCRS, e a Trensurb pretende implantar uma linha para conectar o aeroporto Salgado Filho ao metrô de superfície. O secretário municipal de Gestão e Acompanhamento Estratégico, Newton Baggio, resume a avaliação da prefeitura: – Sua utilização em área muito urbanizada, como o Centro, é difícil porque ele exige espaço. Mas é aplicável a espaços mais amplos.”


Criado nos anos 70 por Oskar Coester, o aeromóvel teve seu primeiro teste em 1983 no Centro de Porto Alegre, em um trecho com pouco mais de um quilômetro. Segundo o criador, o gasto de energia é metade do consumido por um ônibus convencional e 8,5 vezes inferior ao de um automóvel. Isso se deve ao reduzido peso morto do veículo, proporcionado pela propulsão de ar pressurizado. Veja abaixo o vídeo que explica como o aeromóvel funciona:


Os projetos na Capital
Confira como estão as iniciativas mais avançadas envolvendo o aeromóvel em Porto Alegre:

TRENSURB
- É o projeto com maior chance de sair do papel. A administração da Trensurb espera a liberação de R$ 5 milhões a R$ 8 milhões do governo federal ainda este ano para aprontar os projetos executivos dos trilhos elevados, das duas estações e concluir projeto do veículo que faria a ligação entre o aeroporto Salgado Filho e a linha do trensurb, em um trecho de aproximadamente 860 metros.
- Dois modelos, um com capacidade para 150 pessoas, outro para 300, poderiam transportar até 7 mil passageiros por dia. Se os contratos forem assinados nos próximos meses e a União garantir os R$ 29,9 milhões necessários, a obra poderia ser entregue até o final de 2011.
PUCRS
- Ainda no ano passado, começaram a ser construídos modelos de teste para avaliar o aeromóvel em uma ação conjunta da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, da empresa Aeromóvel Brasil SA mediante convênio com a Financiadora de Estudos e Projetos do Ministério da Ciência e Tecnologia.
- Os resultados desses testes e de avaliações anteriores, que somam mais de três anos de pesquisa, deverão ser apresentados logo depois da Copa. A intenção inicial seria avaliar a implantação de uma linha interligando o campus da PUCRS na zona leste da Capital. O coordenador do projeto, Edgar Bortolini, afirma que não há prazo para a universidade optar pela implantação do sistema.
VOLTA DO GASÔMETRO
- A linha de pouco mais de um quilômetro de extensão plantada na Volta do Gasômetro, na Capital, é o principal símbolo das dificuldades enfrentadas nas últimas décadas para o aeromóvel deslanchar. Inaugurada em 10 de abril de 1983, a linha chegou a ser alvo de projetos como ser ampliada até formar um anel ao redor do centro da cidade.
- Continua como um protótipo destinado a servir de demonstração a visitantes como o ministro das Cidades, Marcio Fortes, que conheceu a invenção em 2006.

Fonte: http://zerohora.clicrbs.com.br/zerohora/jsp/default2.jsp?uf=1&local=1&source=a2929641.xml&template=3898.dwt&edition=14847§ion=1003

sábado, junho 12, 2010

Projeto Carona Univates

A Universidade do Vale do Taquari - Univates - lançou em 2009 o Projeto Carona, um sistema de busca e cadastro de caronas (www.univates.br/carona) que fará as pessoas encontrarem quem faz o mesmo trajeto que elas e estabelecerem contato. A Univates é a pioneira no Rio Grande do Sul no oferecimento de um sistema próprio de cadastro de carona.

A ideia veio da Europa, onde este tipo de serviço é muito comum. Pode-se cadastrar caronas (se a pessoa quiser vir com seu veículo), buscar caronas (para combinar com alguém que já tem carro) e até cadastrar filtros, caso não se tenha encontrado a carona que procurava. Como existe o fato de que muitas pessoas podem ficar com receio de dar carona a desconhecidos, só terão acesso ao sistema alunos regularmente matriculados nos cursos de graduação, sequenciais, pós-graduação e técnicos, professores e funcionários da Univates. E o usuário ainda poderá escolher se disponibilizará como contato seu telefone ou e-mail.

Para se ter uma ideia, se uma pessoa deixar de usar o carro para fazer um percurso de 6 km entre sua casa e o trabalho, durante o período de um ano, 480 kg de dióxido de carbono deixarão de ser emitidos na atmosfera. O CO2 é um dos principais causadores do efeito estufa. Estima-se que somente em 2008 São Paulo tenha emitido cerca de 32,5 milhões de toneladas do gás, sendo que 40% provenientes do transporte.

Com o perigo de assaltos e seqüestros que existe hoje, principalmente nas grandes capitais, esse projeto seria viável de se aplicar na cidade de Porto Alegre? Comentem!

Texto: Adaptado de Tamara Bischoff. Texto completo disponível em http://www.univates.br/handler.php?module=univates&action=view&news=7454

domingo, junho 06, 2010

Portais da Cidade - saiba mais sobre o BRT Porto Alegre

Porto Alegre forma a quarta maior região metropolitana do país e enfrenta problemas de transportes proporcionais ao seu tamanho. Atualmente, diversas linhas sobrepostas de ônibus urbanos e metropolitanos sobrecarregam a zona central causando congestionamentos, maior tempo de espera para os passageiros e altos níveis de poluição ambiental.

Assista no vídeo abaixo um breve histórico dos transportes públicos em Porto Alegre e veja como é o projeto Portais da Cidade.

Projeto Portais da Cidade em Porto Alegre from ctsbrasil on Vimeo.

domingo, maio 30, 2010

Resultado pesquisa 2

O gráfico acima foi construído a partir do resultado da pesquisa "Qual a melhor alternativa (em termos de viabilidade e eficiência) para resolver o problema do trânsito de Porto Alegre, reduzindo a necessidade do uso de carros para locomoção?" que cotou com 30 votos durante os 30 dias em que ficou disponível para voto no Blog. Coforme ele, pode-se notar que apesar de muito ser falado sobre o metrô - chegando às vezes a parecer que é a única solução para o trânsito de Porto Alegre -, muita gente ainda acredita em soluções que aproveitem muito da infra-estrutura já hoje instalada (como é o caso da implantação do BRT, que contou com a maioria dos votos).
Também, com os mesmos votos do Metrô, está a descentralização dos centros urbanos. Mas é preciso ter consciência, entretanto, que essa é uma medida que surtirá efeitos apenas no longo prazo, já que não é apenas de questão de infra-estrutura que se trata, mas afeta também a questão cultural.
A partir desses resultados, portanto, lançamos a seguinte questão: caso as condições de transporte público em Porto Alegre melhorassem com a implantação do BRT, você deixaria de se locomover de automóvel particular? Dê a sua opinião respondendo à nossa próxima enquete!

quarta-feira, maio 19, 2010

Tese do não transporte

Como já puderam ter uma idéia na postagem "Transporte Sustentável - Apresentação", a tese do não transporte se baseia na idéia de mobilidade sustentável (redução de impactos ambientais e sociais da mobilidade motorizada existente atualmente). Ela prega que deve-se fugir do foco que se dá atualmente ao problema dos transporte no mundo - o de descobrir formas cada vez mais eficientes e desevolver mais meios de transporte para transportar as pessoas que deles necessitam - e passar a pensar em mudanças mais profundas na estrutura das cidades e até mesmo na estrutura social. Essas mudanças se através de uma integração do tempo e espaço urbanos, ou seja, através de um reordenamento dos espaços e das atividades urbanas, descentralizando-as, de forma a reduzir a necessidade das pessoas de se transportarem.

Mover-se a pé ou mesmo de bicicleta quando se trabalha ou se estuda a longas distâncias de onde se mora não é uma maneira muito viável de transporte. A idéia da tese do não transporte, entretanto, viria para solucionar esse empecilho, de maneira que as pessoas pudessem trabalhar, estudar e morar em locais próximos uns dos outros, de maneira que se diminuísse ou até dispenssasse totalmente a utilização de automóveis, ônibus, trem ou qualquer outro meio de locomoção poluente.

Além do aspecto ambiental, essa idéia também prioriza a qualidade de vida das pessoas, de modo que elas teriam mais tempo para lazer e família e sem contar a diminuição dos níveis de estresse causado pelo caótico trânsito de algumas cidades.

Essa idéia é viável? Deem suas opiniões! Para saber mais acesse http://www.ruaviva.org.br/

segunda-feira, maio 10, 2010

Até quando?

"Fracassam tentativas de conter vazamento de petróleo no Golfo do México

Em vista do fracasso da petrolífera British Petroleum (BP) em conter o vazamento de óleo no Golfo do México, os Estados Unidos redobraram os esforços para tentar diminuir a mancha negra que se espalhou pelo oceano após a explosão de uma plataforma no dia 20 de abril.
O vazamento pode se tornar o pior da história dos Estados Unidos e já ameaça provocar não só um desastre ecológico nas praias, refúgios selvagens e centros de pesca da região como também um desastre econômico. O temor se agravou após a BP reconhecer que não conseguiu sucesso na instalação de uma “tampa” no poço de petróleo por causa da cristalização de água e gás no encanamento que transportaria o óleo para um navio na superfície.
Os ecologistas estão alarmados com os efeitos do petróleo sobre o ecossistema, e também com os dos produtos químicos dispersantes espalhados para impedir o óleo de atingir a terra. Esses produtos deixam o petróleo mais difícil de ser recuperado. Além disso, a utilização dessas substâncias nas profundezas, e não na superfície, é inédita e poderá ser nociva para algumas espécies marinhas.

Agora, a BP prepara uma nova estrutura de cimento que deve ser instalada em outra parte do poço nos próximos dias. A petrolífera já considera a possibilidade de acrescentar metanol no concreto para impedir que o encanamento que deveria levar o óleo a um navio entupa.
Dez navios da Guarda Costeira americana trabalham no delta do rio Mississippi para eliminar os restos de petróleo, com a utilização de líquidos solventes. Tais compostos quebram a estrutura do petróleo em pequenas partículas, que são ingeridas posteriormente por bactérias.
A BP e o governo americano empreendem uma das maiores e mais agressivas experiências com dispersantes químicos na história do país - e talvez do mundo. Foram lançados 600.000 litros da substância na superfície da água - 23.000 litros foram bombeados diretamente no vazamento, a 1,6 quilômetro de profundidade.
Calcula-se que, se não puder ser contido, quase 100.000 barris de petróleo - pouco mais de 15 milhões de litros - serão despejados no Golfo do México antes que equipes consigam aliviar a pressão que impulsiona o vazamento. Apesar da gravidade do desastre, autoridades evitam fazer comparações com o maior vazamento da história dos Estados Unidos, ocorrido em 1989, do navio Exxon Valdez no Alasca.
Mais de 1.000 pessoas em 76 embarcações estão envolvidas no combate ao vazamento. Parte da mancha de petróleo foi queimada na última quinta-feira para reduzir o impacto ambiental, mas outra ação do tipo, prevista para esta sexta, foi adiada por causa das condições atmosféricas. "Estamos preparados para o pior", afirmou uma fonte da Guarda Costeira. Na Louisiana, o governador Bobby Jindal declarou estado de emergência."
Fonte: http://veja.abril.com.br/noticia/internacional/fracassam-tentativas-conter-vazamento-petroleo-golfo-mexico-557769.shtml


Imagem: http://video.globo.com/Videos/Player/Noticias/0,,GIM1259566-7823-OPERACAO+INEDITA+TENTA+TAPAR+POCO+DE+PETROLEO+QUE+ESTA+VAZANDO+NOS+EUA,00.html


Até quando nós todos vamos permitir isso?

Devido a interesses de alguns poucos países e empresas a humanidade e principalmente a natureza pagam cada dia um preço mais alto pelo não desenvolvimento e utilização de energias alternativas. Até quando vamos depender do petróleo? Até quando vamos deixar desastres desses acabarem com o nosso planeta para a riqueza de poucos?

A humanidade a muito já tem capacidade e tecnologia para subistituir o consumo de petróleo para os meios de transporte. O que falta é interesse dos poderosos, enquanto isso nosso planeta é que paga a conta!